SEJA BEM-VINDO AO PORTAL DE VACINAÇÃO CONTRA A COVID-19 DE CAJAMAR!

Vacinômetro

1ª DOSE

3ª DOSE (SUPLEMENTAR)

2ª DOSE

DOSE ÚNICA (JANSSEN)

TOTAL DE DOSES APLICADAS

Dados atualizados às 14h00 do dia 3 de dezembro de 2021.

CONFIRA OS PÚBLICOS ALVOS

Pessoas com 60 anos ou mais e imunossuprimidos que precisam tomar a terceira dose

Pessoas com 12 anos ou mais com e sem comorbidades

Mediante Cadastro Reserva

Profissionais da Educação

Mediante Cadastro Reserva

Gestantes e Puérperas com e sem Comorbidades

Mediante Agendamento

POLOS DE VACINAÇÃO

PESSOAS COM 60 ANOS OU MAIS E IMUNOSSUPRIMIDOS QUE PRECISAM

TOMAR A 3ª DOSE DA VACINA

Não é necessário agendamento!

PESSOAS COM 60 ANOS OU MAIS E IMUNOSSUPRIMIDOS QUE PRECISAM TOMAR A 3ª DOSE DA VACINA

DE SEGUNDA A SÁBADO, DAS 09H ÀS 17H 

Com os documentos pessoais em mãos, dirija-se a um polo de vacinação

Documento com foto, Cartão do SUS e comprovante de residência

Confira os polos de vacinação: 

Jordanésia: Drive-Thru

👉 9h às 17h
📍 
Av. Vereador Joaquim Pereira Barbosa, nº 827 – Jordanésia

Entrada pelo Ginásio de Esportes Prefeito Manoel Álvares, em Jordanésia

Polvilho

👉 9h às 17h
📍 
Rua Creuza Ferreira de Araújo, nº 120 – Polvilho

Ginásio de Esportes Antônio Carlos Tramassi 

DEMAIS PÚBLICOS

(CADASTRO RESERVA E AGENDAMENTO)

Pessoas pertencentes aos grupos prioritários, como profissionais da educação, idosos e pessoas de 12 anos ou mais, que ainda não tomaram a primeira dose da vacina, precisarão entrar em contato pelo Teleatendimento e realizar o Cadastro Reserva para se vacinar.

Gestantes e puérperas que ainda não se imunizaram devem procurar a Unidade de Saúde mais próxima de sua residência para o agendamento da vacinação.

Faça o pre-agendamento pelo site do Governo de SP:

Após o preenchimento do formulário de pré-cadastro, tenha em mãos os dados pessoais, CPF e número do Cartão do SUS;

Caso não tenha o Cartão do SUS, procure por uma Unidade de Saúde do município e peça a emissão. 

Com os documentos pessoais em mãos, ligue em um dos telefones:

Teleatendimento

(11) 4446-0101

Atendimento de segunda a sábado, das 08h às 17h

TIRE SUAS DÚVIDAS SOBRE A VACINA

Confira as respostas sobre a vacinação contra a covid-19

Ambas as vacinas atualmente disponíveis no Brasil — a CoronaVac e a AstraZeneca — são administradas por via intramuscular, no músculo deltoide, em duas doses. No caso da primeira, o intervalo entre as doses é de 02 a 04 semanas. Na segunda, de 12 semanas.

Caso o indivíduo não possa receber a vacina no braço, ela poderá ser inoculada “no vasto lateral da coxa”.

“Outra área alternativa para a administração será a ventroglútea, devendo ser utilizada por profissionais capacitados”, diz o Ministério da Saúde.

As próximas fases de imunizações serão divulgadas aqui neste portal conforme o recebimento dos novos lotes de vacinas. Fique atento e acompanhe também as redes sociais da Prefs de Cajamar!

Sim, ela é disponibilizada pelos SUS sem custos.

Não. Mas para garantir um atendimento mais rápido nos locais de vacinação e evitar a formação de aglomerações, é necessário seguir as instruções para cadastro neste site.

Se achar necessário, clique AQUI para ver qual grupo estamos vacinando e ficar atento às instruções de vacinação.

A Prefs vai avisar os próximos grupos a serem vacinados.

Fique de olho nos informes divulgados pela Prefeitura nas mídias sociais, neste site e no App Cajamar.

A vacinação vai ocorrer nas unidades de saúde de Cajamar. Em casos de pessoas impossibilitadas a locomoverem, a Prefeitura de Cajamar por meio do Programa Saúde em Casa irá vacinar em suas residências, mas lembrem-se: a Prefs vai anunciar em suas mídias sociais e neste portal quando chegar a idade de cada grupo. Ok?

Não, pois a vacina não contém o vírus vivo.

Sim. Para quem tiver hipersensibilidade ao princípio ativo ou a qualquer dos excipientes da vacina e para quem apresentou uma reação anafilática confirmada a uma dose anterior de uma vacina contra a covid-19.

Não. “Considerando a ausência de estudos de coadministração, neste momento não se recomenda a administração simultânea das vacinas COVID-19 com outras vacinas”, diz o Ministério da Saúde.

O órgão recomenda que o intervalo de tempo mínimo para isso seja de 14 dias.

“Preconiza-se um intervalo mínimo de 14 dias entre as vacinas covid-19 e as diferentes vacinas do Calendário Nacional de Vacinação”, acrescenta o órgão.

Há estudos em andamento para aferir a eficácia e a segurança de pessoas que tomam vacinas diferentes, mas até agora não há nenhum dado conclusivo sobre isso.

Em dezembro, o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu que o Estado pode determinar a obrigatoriedade da vacinação contra a covid-19.

Mas o uso da força para exigir a vacinação está proibido, ainda que possam ser aplicadas restrições a direitos de quem recusar a imunização.

Essa obrigatoriedade poderá ser determinada pelo governo federal, estados ou municípios. As penalidades a quem não cumprir a obrigação deverão ser definidas em lei.

Na prática, no entanto, as vacinas no Brasil já são praticamente obrigatórias, pois a apresentação da caderneta de vacinação em dia é exigida para matrículas em escolas públicas, concursos públicos e Bolsa Família.

Você deve tomá-la assim que possível.

“Caso haja alguma ocorrência que impeça o indivíduo de retornar no prazo determinado, orienta-se tomar a 2ª dose para completar o esquema”, diz o Ministério da Saúde.

Como todo medicamento, as vacinas também podem causar efeitos colaterais.

A maioria deles é leve e de curto prazo, e nem todo mundo apresenta esses sintomas.

Apesar disso, mesmo se você tiver sintomas após a primeira dose, ainda precisará receber a segunda dose.

Entre os efeitos colaterais mais comuns, estão:

– sensação dolorosa no braço em que você recebeu a vacina. Essa dor tende a ser pior em torno de 1 a 2 dias após a vacina

– cansaço

– dor de cabeça

– dores gerais ou sintomas leves de gripe

Embora a sensação de febre não seja incomum por 2 a 3 dias, febre alta é incomum e pode indicar que você tem covid-19 ou outra infecção.

Se seus sintomas piorarem, fale com seu médico.

Sim. “Não há evidências até o momento de qualquer preocupação de segurança na vacinação de indivíduos com história anterior de infecção ou com anticorpo detectável pelo SARS-COV-2”, diz o Ministério da Saúde.

Se você está com sintomas leves de covid-19, você deve se isolar e não sair de casa, pois corre o risco de infectar outras pessoas. Em caso de sintomas graves, deve buscar ajuda médica.

Mas, segundo o Ministério da Saúde, “é improvável que a vacinação de indivíduos infectados (em período de incubação) ou assintomáticos tenha um efeito prejudicial sobre a doença”.

Apesar disso, o órgão recomenda o adiamento da vacinação “nas pessoas com quadro sugestivo de infecção em atividade para se evitar confusão com outros diagnósticos diferenciais”.

“Como a piora clínica pode ocorrer até duas semanas após a infecção, idealmente a vacinação deve ser adiada até a recuperação clínica total e pelo menos quatro semanas após o início dos sintomas ou quatro semanas a partir da primeira amostra de PCR positiva em pessoas assintomáticas”, diz o órgão.

Depende. O Ministério da Saúde recomenda o adiamento da vacinação “diante de doenças agudas febris moderadas ou graves”, até a resolução do quadro.

Essa regra vale para todas as vacinas, não apenas a da covid-19.

Sim, mas o Ministério da Saúde adverte que a vacinação somente deverá ser realizada com prescrição médica.

Segundo a pasta, “a eficácia e segurança das vacinas COVID-19 não foram avaliadas nesta população”.

“No entanto, considerando as plataformas em questão (vetor viral não replicante e vírus inativado) é improvável que exista risco aumentado de eventos adversos”, diz o órgão.

“O risco benefício e a decisão referente à vacinação ou não deverá ser realizada pelo paciente em conjunto com o médico assistente, sendo que a vacinação somente deverá ser realizada com prescrição médica”, acrescenta a pasta.

A segurança e eficácia das vacinas não foram avaliadas nos grupos de gestantes, puérperas e lactantes. Mas estudos em animais não demonstraram risco de malformações.

O Ministério da Saúde faz uma advertência, no entanto, às mulheres que pertençam a um dos grupos prioritários mencionados no início desta reportagem.

“Para as mulheres, pertencentes a um dos grupos prioritários, que se apresentem nestas condições, a vacinação poderá ser realizada após avaliação cautelosa dos riscos e benefícios e com decisão compartilhada, entre a mulher e o médico prescritor”, diz o órgão.

UNIDADES DE SAÚDE

Confira as unidades de saúde disponíveis para realizar a emissão do Cartão do SUS

Unidade Básica de Saúde (UBS) Jordanésia

Das 07h às 16h

Av. Dr. João Antônio Addalla nº 850 – Jordanésia

(11) 44474477

Unidade Básica de Saúde (UBS) Polvilho

Das 07h às 16h

Rua Timburi nº 05 – Polvilho

(11) 44481955

Unidade Básica de Saúde (UBS) Parque São Roberto

Das 7h às 16h

Av. Dr. Jose Luiz Leme Maciel nº 179 – Parque São Roberto – Jordanésia

(11) 44475673

Unidade de Saúde da Família (USF) Centro

Das 7h às 16h

Av. Prof. Walter Ribas de Andrade nº 544 – Centro

(11)44466277

Unidade de Saúde da Família (USF) Belo Planalto

Das 7h às 16h

Rua Anhembi, 26 Jardim Santa Clara – Polvilho

(11) 44980427

Unidade de Saúde da Família (USF) Ponunduva

Das 7h às 16h

Rua Joaquim Rodrigues Pontes nº 203 – Ponunduva

(11) 44080220

Unidade de Saúde da Família (USF) Maria Aparecida

Das 7h às 16h

Av. das Jurutis nº 385 – Parque Paraíso – Polvilho

(11) 44484456

Unidade de Saúde da Família (USF) Guaturinho

Das 7h às 16h

Rua Barueri nº 198 – Guaturinho

(11) 4080607

Unidade de Saúde da Família (USF) Maria Luiza

Das 7h às 16h

Av. Araujá nº 208 – Jardim Maria Luiza – Jordanésia

(11) 44475984

Vacinar é salvar vidas!

Vacina, o futuro no combate ao coronavírus 

Praça José Rodrigues do Nascimento, 30 (Centro) – Cajamar / SP – PABX (11) 4446-7699

Ouvidoria: 0800 771 1223 – Expediente: das 8h às 17h de segunda à sexta-feira (exceto feriados).

© 2020 – O conteúdo desse site pode ser reproduzido em outras mídias com citação da fonte.